Hoje em dia, é importante conhecer a origem do treino com animais e saber como ele evoluiu. Neste artigo, explicaremos, de maneira breve, como tudo começou, concentrando-se exclusivamente nas técnicas de treino moderno.

Voltamos um pouco ao passado; na década de 1940 Keller e Marian Breland, um casal de psicólogos americanos e estudantes de B.F. Skinner (pai do condicionamento operante) sobre os quais falaremos no próximo artigo.

O casal Breland criou uma empresa chamada Animal Behavior Enterprises.

Durante anos, eles treinaram milhares de animais para o exército, pesquisas, programas de TV, feiras, parques temáticos e zoológicos, onde demonstraram que havia uma maneira melhor e mais científica de treinar animais. De uma maneira mais humana e sem a necessidade de usar métodos aversivos, usando conceitos e princípios que ambos haviam estudado em laboratório.

Durante a década de 1940, o treino com animais em jardins zoológicos tinha o objetivo único de entreter o público. Frequentemente, durante as apresentações poucos ou nenhuns comportamentos naturais eram mostrados, como por exemplo um chimpanzé mascarado a beber chá com os treinadores. No entanto, não foi até a década de 1970 que os zoológicos e aquários começaram a concentrar-se mais na conservação e gradualmente em demonstrações mais didáticas, concentrando-se em comportamentos naturais realizados por e para o bem-estar animal.

Na década de 1950, instauraram esta técnica para começar a treinar mamíferos marinhos nos Marine Studios (Flórida), Marineland do Pacífico (Califórnia) e, mais tarde, juntamente com Bob Bailey, zoólogo da Universidade da Califórnia, elaboram o programa de treino para a Marinha dos EUA.

Na década de 1960, Kenneth S.Norris, biólogo de mamíferos marinhos, e seu sócio Ronald Turner, psicólogo da Universidade de Columbia, introduziram os princípios do condicionamento operante no SeaLifePark e no OceanInstitute do Havaí. Foi aqui que a americana Karen Pryor, especializada em comportamento animal e biologia de mamíferos marinhos, começou a treinar golfinhos com a posição de chefe de treinadores.

Além disso, os Brelands e seu aluno Kent Burgess criaram o primeiro programa de treino de mamíferos marinhos no Seaworld, San Diego.

Embora os treinadores de mamíferos marinhos não sejam os primeiros a usar esse sistema de treino (Condizonamento Operante), foram no entanto os primeiros a estender o seu uso à comunidade zoológica.

Como sabemos , os mamíferos marinhos passam a maior parte das suas vidas num ambiente muito diferente do nosso e, portanto, as técnicas de treino tiveram que ser inovadas, e adaptadas ao ambiente onde viviam.

É por isso que o desenvolvimento dessas técnicas representa uma revolução na história do treino com animais, dando importância, sobretudo, a comportamentos que facilitavam a gestão diária dos animais:

 

  • Começou-se a alimentar os animais diretamente , o que aproximava os animais dos treinadores.

     

  • Treinados a permanecer numa posição específica durante as sessões de treino a mudar-se de um recinto para outro e a serem separados individualmente ou em grupos, se necessário.

     

  • Com a alimentação direta podiam também tocar nos animais , este comportamento facilitaria o trabalho do veterinário, porque podia observar o animal de muito perto para avaliar qualquer tratamento médico, controle de feridas ou administração de medicamentos.

     

  • Treinar os animais a tocar num objeto ou qualquer parte do corpo do treinador , como a mão por exemplo, seria muito útil para o futuro do treino dos animais, porque o animal pode ser guiado ou colocado na posição desejada.

 

Mais tarde, nas décadas de 1970 e 1980, os comportamentos médicos começaram a desenvolver-se gradualmente, e a ser parte essencial na gestão de animais a tal modo que foram realizadas com sucesso as primeiras técnicas de analises de sangue voluntário com orcas no SeaWorld San Diego em 1984.

As técnicas de treino estão em constante evolução e temos cada vez mais conhecimento sobre o comportamento dos animais.

No WeZooit, temos a certeza de que esta é uma história que ainda não acabou de ser escrita e que o caminho a percorrer ainda è todo para descobrir.

 

E lembre-se, se for possível ...WeZooit

 

SHARE