Em artigos anteriores, falamos sobre reforços e o poder que eles têm para criar outros comportamentos.

Como sabemos , os comportamentos podem ser reforçados com reforços primários, que são aqueles que têm valor intrínseco por natureza; tais como: comida, temperatura, água, sexo).

Ou com reforços secundários: reforços condicionados, visto que seu valor é dado por uma história de associação com um reforço primário ou outro reforço secundário como: contato físico, jogos, etc.

Lembramos que também mencionamos a possibilidade de reforçar um comportamento com outro comportamento.

É aqui que entramos no que é conhecido como o Princípio Premack.

David Premack è um psicólogo americano que, em 1965, apontou que na presença de dois estímulos, aquele com maior valor para o animal reforça o de menor valor.

Em outras palavras, um comportamento desejado, "fácil" e bem conhecido pode ser usado para reforçar um comportamento "difícil" e / ou infrequente, por isso também é conhecido como a teoria da relatividade do reforço.

Queremos enfatizar que esta técnica funciona sò se o comportamento desejado funciona como reforço para o animal como consequancia do comportamento "difícil" ou improvável, e não o contrário.

Às vezes, podemos cometer erros, como pedir ao nosso animal um comportamento e reforçá-lo realizando outro comportamento sem realmente pensar se o comportamento que pedimos é realmente reforçante ou motivante para o animal.

De repente, este segundo comportamento é realizado pelo nosso animal com latência (tempo lento entre o Sd e resposta ), critérios pobres e até mesmo recusar fazê-lo. Se isso acontecer mais tarde, encontraremos uma situação em que não reforçamos o primeiro comportamento que queríamos reforçar, nem o segundo que queríamos usar como uma ótima ferramenta de reforço. Como resultado, a qualidade da nossa sessão e a motivação do nosso animal começa a diminuir.

Na nossa vida diária, encontramos uma infinidade de exemplos, a maioria dos quais se aplica principalmente à psicologia infantil. No entanto, vamos-nos concentrar no mundo animal e dar alguns exemplos.

Por exemplo; Uma arara quer ficar com outra arara e temos que separar-las para fazer um treino. O processo deste conceito é o seguinte: fazendo várias aproximações podemos separá-las, quando isso acontecer, podemos reforçar a resposta; a separação; metendo-as juntas novamente.

 

Resumindo, «desistir do que queremos, para obter o que queremos».

 

O animal realizou um comportamento difícil (separando-se de seu partner), após este comportamento reforçamos esta açao com um comportamento de alta motivação, colocando o animal separado de novo junto do seu partner).

Outro exemplo: um leão-marinho continuamente deixa o seu lugar durante uma sessão para ir para a água. Entrar na água é um comportamento muito motivador. Se treinamos o nosso leão-marinho para ficar no lugar e trabalhar na durada deste comportamento, e de vez em quando reforçamos com a ação de entrar na água, podemos equilibrar progressivamente a motivação para o que queremos, que é que o nosso animal fique no seu lugar durante a sessão.

Assim, com o tempo, os novos comportamentos que tínhamos que reforçar no início com comportamentos altamente motivados vão se consolidando.

Portanto, a primeira coisa que devemos fazer como treinadores para saber como aplicar o princípio Premack no nosso programa de treino é conhecer o nosso animal e prevenir que faça o comportamento que prefere em cada situação.

Na WeZooit, pensamos que a maneira de descobrir o que nosso animal deseja em um determinado momento é complicada e às vezes ao mesmo tempo è mais fácil do que pensamos. Precisamos simplesmente observar e compreender qual comportamento é mais motivador para eles.

Como última dica, pensamos que é importante que nosso animal não antecipe ou adivinhe o que vai acontecer a seguir. Assim evitamos o risco de reforçar o comportamento que não queremos.

 

E lembre-se, se se pode ... WeZooit!

 

 

SHARE