Alguns de vocês já provavelmente jà conhecem a história de Xana, o leão marinho com problemas de regurgitação. Este treino foi realizado por um dos fundadores da WeZooit, Enzo Rodríguez, e apresentado na conferência IMATA 2018 em Portugal.

Nesta ocasião, contaremos como foi feito, passo a passo, este treino um pouco mais complexo.

Para começar, qual era o problema com Xana?

Observamos que quando acabavamos o treino, a Xana regurgitava de quinze a vinte vezes. Seguindo este facto com mais cuidado, vimos que antes de fazer este comportamento, ela apresentava um claro precursor, que consistia em mover um pouco o pescoço para trás enquanto nadava, e a seguir regurgitava.

Este comportamento pode ser visto no vídeo a seguir.

 

 

 

Como normalmente fazíamos cinco sessões por dia e ao final de cada uma ela regurgitava, considerando o peixe por sessão, este comportamento apresentava-se cerca de cem vezes ao dia!

Isso causou grande preocupação entre nós treinadores. Regurgitando tantas vezes, a sua ingestão diária de peixe diminuiu e ela perdeu muitos dos nutrientes de que precisava. Como a decisão de aumentar a dieta não foi suficiente e a Xana estava demonstrando óbvia perda de peso, sem esperar ainda mais, preparamos um meticuloso protocolo de treino .

 

Protocolo de treino.

Já tínhamos o problema, agora tínhamos que encontrar uma solução para extinguir este comportamento indesejado. Comecei a preparar um plano de treino sabendo que era algo muito complexo e que seria um trabalho muito longo, exigindo muita perseverança, sacrifício e dedicação, mas estava convencido de que poderíamos fazê-lo com a equipe de treino que tínhamos no Jungle Park. (Tenerife).

Escrevemos um protocolo muito detalhado das etapas que tinhamos que seguir , acompanhado de uma recolha de dados abrangente, que nos ajudaria a saber quando podiamos seguir em frente no treino. Os dados que recolhemos foram: o tempo da sessão e a duração, o nome do treinador, quanto tempo passou entre uma sessão e outra, a quantidade de peixe que comeu, a área da instalação onde estava e com que animal era em companhia.

Um exemplo:

 

A primeira parte do plano de treino consistia em fazer mini-sessões; no íntervalo dessas mini-sessões, esperamos um minuto e voltava-mos para fazer uma nova sessão. Se ela regurgitava, evitávamos qualquer interação com ela por dez ou quinze minutos.

Nos primeiros dias, fomos capazes de fazer cinquenta e oito sessões diárias distribuídas por doze horas. Com isso pudemos fazer com que a Xana percebe-se em poucos dias que, mesmo que a sessão acabasse, em pouco tempo estaríamos de volta. E, portanto, ela estaria mais interessada na nova sessão em vez de regurgitar. Com este sistema, reduzimos significativamente o número de regurgitações.

Ao mesmo tempo começamos a trabalhar com ela na parte social, já que na escala social do grupo ela é um animal submisso, também aqui tivemos que intervir para melhorar essa situação para evitar que isso afetasse a regurgitação.

Todas as segundas-feiras fazia-mos uma reunião com toda a equipe para análisar todos os dados recolhidos durante a semana, e ali decidìamos se avançar ou não no treino ; se e como prolongar o tempo entre as sessões, se aumentar o tempo da sessão ou a quantidade de peixe.

O próximo passo no protocolo de treino foi estimulá-la ainda mais e manter a sua mente ocupada, para isso, decidimos treinar com ela a distinção de figuras. Isso causou uma redução ainda maior no número de regurgitações à medida que aumentamos a sua motivação em cada sessão.

 

Xana e a distinção de figuras.

 

Para continuar com o objetivo de estimulá-la e aumentar a sua motivação a cada sessão, o próximo passo foi começar a treinar a associação de um objeto a um comportamento.

 

Xana e a associação de objetos ao comportamento.

 

Como dissemos no início, foi um trabalho que durou muito tempo a realizar e a Xana levou cerca de dois anos para interromper a regurgitação. Isso porque as mudanças que fizemos semana após semana foram muito detalhadas, para tentar com que o problema nao volta-se.

Aos poucos reduzimos as sessões diárias e ampliamos o tempo , até chegarmos a sete sessões diárias sem ter sequer um episódio de regurgitação.

Estas mini-sessões, o treino de distinção de figuras, a associação de objetos ao comportamento, foram acompanhadas de outro treino, ou seja, poder fazer uma endoscopia e uma biópsia voluntária do estômago para ter um diagnóstico do seu estado de saúde e procurar o motivo principal da regurgitação.

Tudo isto foi possível graças à excelente relação que existe entre a Xana, treinadores e veterinários do Jungle Park (Tenerife).

 

“Obrigado equipa, porque sem a vossa dedicação e empenho isto não teria sido possível”

No próximo artigo, contaremos como foi a endoscopia voluntária da Xana.

 

E lembrem-se, se se pode ... WeZooit!

 

 

 

 

 

 

SHARE